Sinjorgran – Nota alusiva ao Dia do Jornalista

A pauta de hoje, nossa luta

Jornalistas são lutadores.

Eles lutam por respostas para uma diversidade de problemas: as violências, as injustiças, as corrupções, as epidemias, as tragédias, as crises econômicas e políticas, os impedimentos para que o cidadão exerça seus direitos etc. E ao alertar sobre o negativo e a morte, querem promover o positivo e a vida.

Dessa forma sua energia é um ponto de interrogação.

cartaz_sinjorgran

Cada notícia é o resultado de dezenas de pontos de interrogação para uma variedade de fontes, sempre em busca do equilíbrio, da pluralidade e da promoção do contraditório. Quando o que se quer é oferecer informação de qualidade para o público é preciso ir além da simples replicação de declarações e de imagens.

É preciso saber fazer as perguntas e fazer as perguntas certas.

Assim, jornalismo é uma profissão que dá trabalho.

O que está publicado nos jornais, revistas, portais, rádios e TVs por vezes está no formato e uso de linguagem jornalística, mas não é jornalismo. Pode ser perfumaria, jabá, informe publicitário ou um amontoado de falas e opiniões e também pode ser mentira.

O público não é bobo.

Logo percebe que deveriam ter sido feitas mais perguntas sobre aquele acontecimento, que alguma coisa está faltando ou está demais.

Por isso o jornalista sempre mira no interesse público, no direito fundamental do cidadão à informação e sua conduta deve seguir à risca o Código de Ética.

Se ele mira em sentido oposto atendendo interesses esdrúxulos e às vezes sendo pressionado pelo patrão, ele não está sendo jornalista, mas apenas um ventríloquo. Perdeu a própria voz.

Mas é só começar a fazer as perguntas, as perguntas certas, que surgem os constrangimentos. As tentativas de censura, na maioria das vezes, são dentro da própria redação, de anunciantes, de fontes e até do próprio jornalista que precisa entender seus preconceitos e posicionamentos religiosos, políticos e ideológicos para evitar que eles interfiram na interpretação dos fatos.

Há outro fator limitante na hora do “vamos ver”: o tempo. Ele pode apressar a apuração dos fatos, a pesquisa e prejudicar a reflexão.

O jornalista luta contra isso.

Desenvolve habilidades de concentração em ambientes hostis, técnicas de investigação e ferramentas para checar a informação. Não quer que o relógio “atropele” a notícia porque não quer espalhar equívocos, beneficiar interesses mesquinhos ou publicar apenas a aparência do fato.

Isso é contra a força que move seu fazer.

Por isso a luta do Sindicato sempre será uma constante por melhores condições de trabalho, valorização do jornalista, salários dignos, qualificação profissional, segurança na cobertura dos fatos, combate à precarização, liberdade de imprensa, ética profissional e respeito aos direitos autorais.

Porque jornalismo é difícil, não consegue ser produzido de qualquer jeito por qualquer um.

Jornalismo é profissão.

Dourados (MS), 07 de abril de 2016

Diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais na Região da Grande Dourados (SINJORGRAN)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s